A Podridão de Ugrasha - 12° ato

       Início do Livro 16 da Ilíada no "Townley Homer" 
(London, British Library, MS Burney 86, f. 170v. Manuscrito do século XI).

O tom mais adequado a aventuras épicas é a poesia: 
perguntem a Homero, Dante e Virgílio.
Se agora os aedos estão no exílio (da eternidade),
e o que nos resta é prostrar ante seu esplendor, com saudade,
permitam a esse bravo e ruim escrevinhador, sem maestria,
cantar desafinado, com voz que de emoção racha,
as desventuras do bravo grupo na Podridão de Ugrasha!



Completa a fuga, o grupo avança pela gruta.
Intocada por artesãos, pelo piso escoa a chuva,
e os gritos do gigante se perdem na noite escura.

As pedras escorregadias e traiçoeiras são o único inimigo
e a escuridão se avoluma, mas esse é o preço do abrigo.
As paredes se estreitam, e inevitável é a escalada.
Duncan avança ligeiro, e já não se ouve mais trovoada.

Um grande salão se afigura, profundo, alto e sem saída.
Com os olhos perfurando o breu, Bartolomeu os avisa:
-Ao fundo, eis uma escada caída, com toras ainda rijas;
podemos apoiá-la à rochosa plataforma e seguir nosso caminho.

Mas da escuridão, rugosa, surge uma criatura em desalinho:
corcunda alta, peluda e com pinças, quelíceras e olhos de vidro!
-Que os deuses nos acudam contra mortal inimigo!
e Duncan avança, ligeiro e sozinho, sem atentar ao desatino:
a criatura enfeitiçara seus valorosos amigos!

Paralizados de terror estão Bartolomeu, Wurren e Bruenor.
Mas Duncan e Eldrin sobrepujam o medo, atacando o animal traiçoeiro.
O portador da Luminosa ataca o monstro, que urra de dor;
com isso seus companheiros despertam do torpor.

Mas o monstro não se dobra ao forasteiro,
pois quem invade seus domínios paga com a vida,
e ao chão, lacerado e pisoteado, vai o paladino:
ao ver-se tão ferido, pensa ter encontrado seu destino,
naquele salão fedido, profundo e esquecido.

Mas uma seta corta o ar, depois um raio,
e do chão aguado se ergue o machado pesado, ungido,
uma arma que da criatura arranca um esganiçado grito,
um golpe afiado que decepa carne, carapaça e gemido:

É a Morte Lenta, sempre sedenta:
o poderoso machado do mestre anão destemido!


Próximo Ato                                       Podcast da sessão                                                   Ato Anterior

Comentários

  1. Assim como toda poesia épica, os fatos narrados obedecem mais aos desígnios da dramaticidade do que aos da realidade. Ela conta mais o que poderia ter sido do que o que realmente foi. Com isso, muito do crédito do intrépido Duncan ficou de fora do script final, pois todos sabemos que foi ele quem arregaçou o monstro e só por um capricho da sorte ele não derrubou o monstro antes que os demais pudessem sequer agir.

    ResponderExcluir

Postar um comentário