Tragédia em Chathold - 3º Ato

O grupo se reuniu pela manhã, no 3º dia de Brewfest, como havia ficado combinado.

Dante fez uma breve oração no tabernáculo de Heirnoneous, disposto em um modesto corredor da Abadia. Ele havia escolhido aquele local para fazer suas ofertas ao Justo, pois não se julgava digno de faze-lo nos grandes altares do templo.

Quando deixava o tabernáculo, Dante foi abordado por um acólito, que sem se identificar, admoestou o guerreiro, lembrando-o que eles (e o Lorde Kevont) estavam atentos para os passos dele e do Príncipe Valeran.

Dante não entendeu do que se tratava, mas aceitou o "conselho" e seguiu por seu caminho a fim de encontrar os demais personagens.

Ele se apresentou, enfrentando o mau humor matinal de Bryoff e a urgência de Vexia.

Dante logo demonstrou não ter interesse em exercer uma liderança pela tirania, não desejando impor nada ao grupo - o que de certo modo surpreendeu alguns, como o próprio Bryoff e Beren também, que esperavam que o guerreiro indicado por Aurold impusesse sua posição destacada para comandar a comitiva.

Seja como for,o grupo partiu poucos minutos após o dia raiar, parando nas imediações dos "portões de opala" para que Dante e Beren comprassem provisões para a viagem.

O passeio pelos ermos rugosos de Chathold seguia tranquilo, porém, apenas cerca de uma hora e meia depois de deixarem as muralhas para trás, o grupo foi surpreendido por uma trupe de orcs. Eles certamente não estavam perdidos ou desorientados, e por isso puderam reagir aos personagens e sua presença ameaçadora.

Inon prontamente disparou uma flecha, errando seu alvo - como faria ainda muitas vezes durante o combate. Beren se deslocou para estar em posição segura para futuras conjurações. Dante avançou, assumindo uma postura de liderança e ordenou que os demais tomassem posições próximos dos arbustos que existiam à leste. Com isso, Dante pretendia organizar seus comandados, dando-lhes a oportunidade de encontrar cobertura, além de forçar os orcs a saírem de formação.

Bryoff e Vexia seguiram o conselho, enquanto Inon ficava para trás, atirando flechas. Porém, Bûrag não ouviu o comando do líder Dante e avançou contra os orcs de modo destemido, atraindo consigo Dragnar - incapaz de abandonar o irmão à própria sorte.

Vexia disparava flechas com precisão incrível, demonstrando que sua ferocidade era maior do que a aparência delicada e singela poderia indicar. Bryoff avançou ainda mais, engajando no corpo-a-corpo com um orc, enquanto Beren se atrapalhava com sua funda após ter desistindo de conjurar magias e danificando miseravelmente sua arma quando tentava atirar uma bilha.

Dante avançava com cautela, preocupado com a situação dos anões das montanhas, e atirou lanças para conter o avanço dos orcs, que a esta altura já estavam muito próximos dos personagens.

Vexia derrubou um e feriu gravemente outro. Bryoff esquivava-se com destreza e golpeava com seu machado. Dante abateu uma das temíveis criaturas, penetrando seu abdômen com uma lança, enquanto Dragnar e Bûrag engajavam-se no combate com dois orcs.

O sangue anão já havia sido derrubado, pois Bûrag não podia se esquivar com precisão. Bryoff também se descuidou nos momentos seguintes, indicando uma virada na sorte do grupo. Inon desistiu de atirar flechas quando viu que todos estavam em combate corpo-a-corpo, pois seria arriscado demais mirar em um inimigo com tanta movimentação e as chances de acabar matando um colega era muito grande.

Bûrag cambaleava de dor. Dragnar reagiu, ferindo um orc, mas logo em seguida foi atingido por um golpe de machado que veio na descendente e por pouco não extirpando seu braço inteiro.

Vexia ainda atingiu um outro inimigo, mas abandonou seu arco e sacou a espada pelo mesmo motivo que Inon - embora tenha hesitado um pouco mais no começo, confiante que estava em sua mira afiada.

Eram muitos orcs e, embora três já tivessem tombado, sete ainda estavam em condições de combate. Então, Beren foi perspicaz e conjurou uma magia de sono, automaticamente derrubando quatro deles que estavam um pouco mais distantes e deixando que as preocupações se voltassem apenas para os orcs mais próximos.

Infelizmente, porém, Bûrag foi derrubado, e logo em seguida Dragnar também o seria. Neste momento, o bravo sacerdote de Moradin já havia despachado um adversário e instantes depois Bryoff abateria mais um orc. Vexia correu para brigar com ele, e quase foi atingida no peito pelo swing do machado. Dante, porém, não falhou e espetou o adversário, derrubando-o.

Como a magia de sono ainda fazia efeito, o grupo pode eliminar os adversários adormecidos, exceto por um - de quem pretendiam extrair alguma informação: afinal, o que um grupo de orcs vazia tão próximo assim de Chathold?

Vexia e Inon se ocuparam de acudir Dragnar, que estava inerte no solo - muito ferido e à beira da morte, como seu irmão. Felizmente, porém, Nerull poupou a vida dos anões, e a viagem que mal acabara de começar não seria tão tragicamente marcada - pelo menos não por agora.

Comentários

  1. Combates na segunda edição são assim... Quase perdemos dois já no primeiro desse novo grupo!

    E, acabei esquecendo de te falar, mas, enfim, descobri qual era a música que o bardo cantou. A Farewell to Kings, do Rush... Só lembrei porque ela tá tocando aqui agora, rsrs...

    ResponderExcluir
  2. Ahauhauhauhauahuahu Lembrou com muitas sessões de atraso! Não vai ganhar XP extra!!! Achei que você ou o Bogus fossem matar logo de cara!!!

    Quanto ao sistema da 2ª edição, fiquei um pouco assustado. É difícil lembrar das coisas na hora. Mas até que fluiu relativamente bem. Agora, pra usar o lance de morrer com 0 de HP não poderíamos ter dobrado o dano do crítico, teríamos que rolar de novo - afinal, a regra básica não previa a possibilidade de dobrar o dano - apenas as regras secundárias...

    ResponderExcluir
  3. Eu não conhecia essa música, na verdade. Pelo menos não me lembrava dela. Então, tive que jogar no google mesmo, quando vc fez o post com ela. Aí, aproveitei e peguei a discografia. Então, não merecia XP nenhuma não, rs... Nem lembrava que voce tinha prometido isso, por sinal... Só falei porque a música tocou enquanto eu lia esse último post, uma baita coincidência, rs...

    É verdade… Na hora de usar regras secundárias é necessário ter um certo cuidado, sob pena de se gerar complicações e desequilíbrios. E a regra do -10 é boa, acho que vale a pena mante-la...

    ResponderExcluir

Postar um comentário