A Fonte Secreta - 18º Ato

Depois de comprar os cavalos, bastou uma rápida parada no mercado para que Dante e Beren comprassem novas provisões. Além disso, Dragnar e Brÿjoff foram  atrás de um mapa.

O grupo aguardava na praça principal da cidade, quando viram os anões pimposos retornando. Brÿjoff estava com a cara amarrada de sempre, mas Dragnar parecia feliz, pois tinha conseguido comprar o mapa que tanto desejava. O que os filhos de Moradin não tinham percebido é que um pequenino se esgueirara por detrás de Brÿjoff e, com uma navalha, cortara o fundo de sua mochila. O distraído anão não percebeu a falta que os 10 quilos de moedas (e outros pertences que estavam na bolsa) faziam. Mas Wooly percebeu isso e rapidamente agiu para desfazer o golpe do malfeitor.

O ladino bucaneiro sorrateiramente se espremeu entre transeuntes, passando pro detrás de árvores e se esgueirando pelas esquinas, até se aproximar o suficiente do pequenino, dando-lhe um esbarrão. Beren, que percebeu o que se passava, começou a se aproximar. Só então Dante se tocou e começou a agir, tentando não causar alarde nos vilões de Forrin. Já Togus estava alheio a tudo que se passava, enquanto Phrowenia lutava com mastigador para que ele soltasse seus cabelos.

Wooly tentou distrair o ladrão, mas ele parecia mais esperto e capaz de se evadir. Para evitar que isso ocorresse, Wooly não teve escapatória a não ser sacar de dentro de sua luva mágica uma besta, a qual subitamente estava apontada para a cara do ladrão. Sem reação, o pequenino ainda tentou driblar o olhar do ladrão dos mares, mas desta vez ele é que foi mais esperto.

Com duras e diretas palavras, Wooly intimidou o pequenino, que preferiu soltar a sacola com os pertences de Brÿjoff do que apanhar para aquela figura terrível. Assim, o pequeno bandido logo fugiu e o grupo pode retomar seus afazeres.

O mapa de Dragnar não era muito compreensivo. Mas serviria para pelo menos orientar uma boa parte da viagem pelas próximas semanas. O grupo viu nele que a próxima vila se chamava Willnend e que, por sua disposição no mapa, parecia fazer parte de algum tipo de eixo comercial. Uma grande estrada cruzava a tal vila e a ligava à cidade de Torrich, que segundo Dragnar é uma cidade importante nas Terras de Darmen (como essa região de Ahlissa é conhecida). Sem muito interesse em perder ainda mais tempo por aí, o grupo imediatamente resolveu rumar para Willnend, deixando Forrin ainda naquela manhã.

O dia estava escuro, com grandes nuvens negras se amontoando nos céus. Embora de dia a temperatura não fosse muito elevada, a noite era amena. O vento quase não soprava, e sob os auspícios de Fharlanghn, tomaram a estrada de terra. Logo no segundo dia de viagem o grupo teve que pagar tributo a uma patrulha de guardas que impôs um pedágio sobre a única ponte que havia sobre o rio que cruzava a região. Wooly claramente desgostou desta imposição, mas Beren sequer quis discutir o assunto e pagou por todo o grupo para que a atravessia fosse tranquila. Apesar de carrancudo, o guarda mostrou-se atencioso e logo franqueou a passagem, desejando aos personagens uma boa viagem.

Com mais dia e meio de viagem o grupo aportou em Willnend. Na entrada da cidade, mais guardas. No caso, o soldado que abordou o grupo logo quis saber se eles eram negociadores de mercadorias. Sem papas na língua, o homem perguntou se o grupo estava voltando de uma aventura em uma "dungeon" e se pretendiam comercializar seus tesouros em Willnend. Ainda segundo o guarda, aquela era uma cidade rica em mercadores, e seria um excelente lugar para a prática de negócios. Beren, sem hesitar, confirmou a suspeita inicial do guarda e denunciou que o grupo pretendia sim vender e negociar tesouros.

O guarda, então, revelou a existência de uma taxa para comerciantes, e exigiu seu pagamento sem misericórdia. Wooly ficou muito irritado, e desconversou, tentando convencer o guarda de que Beren estava falando demais e que eles não iriam negociar mais nada ali. Mas o guarda ficou irredutível, garantindo ao grupo que seus tributos iriam abastecer os cofres do príncipe e da guilda dos mercadores, sem a qual tão bons negócios não estariam esperando lá dentro.

Novamente, Beren contemporizou e pagou as taxas pelo grupo, a fim de evitar sofrimentos. O grupo entrou na vila, finalmente, e se dirigiu para a praça central, percebendo - no caminho - que a cidade carecia de uma sistema de esgotos e de um pouco mais de ordem nas ruas (todas cheias de imundícies). Na praça central viram que havia um portentoso templo de Hextor, erguido em mármore negro (a exemplo do que haviam visto em Strinken, semanas atrás). Dante ficou inclinado a pagar uma visita ao templo, porém isso só aconteceria mais tarde, depois que o grupo arrumasse uma estalagem para ficar.

E foi na estalagem das Três Flechas que o grupo ficou. Lá, após negociar o almoço com o taverneiro, Wooly, Brÿjoff, Togus e Dragnar iniciaram uma competição para saber quem seria capaz de tomar mais cerveja. O bucaneiro se gabava se ter grande capacidade de tolerar o álcool, mas foi o primeiro a desmaiar. Togus, calado, desmaiou também. Brÿjoff e Dragnar estavam aguentando firme, mas o sacerdote de Moradin mostrou-se mais resistente de todo mundo e venceu a competição.

Enquanto isso, depois de 1,5 litros da deliciosa Beory's Draught, Beren levou sua amada Phrowenia para um dos quartos, efetuando uma performance memorável - e que só não se tornou épica por causa do álcool, que o desanimou e se abateu sobre sua mente como um profundo e poderoso feitiço de sono.

Nenhum destes assuntos mundanos interessava a Dante, que foi ao templo de Hextor, onde contemplou a luxúria de seus salões negros, ornados com pinturas épicas sobre as vitórias do patrono sobre todos os seus adversários, inclusive sobre uma figura destacada em particular - um paladino que, prostrado e com o seu machado partido, pedia clemência do Lorde das Batalhas. Todavia, mesmo com tanta demonstração de poder e amor pela batalha, Dante não se sentia confortável ali, naquele local, pois algo lhe soava profano naquilo tudo. Seu espírito foi tomado pela vontade de imediatamente fugir dali e voltar para os braços dos amigos de grupo, não obstante, na saída do templo foi confrontado por alguém que parecia ser um sacerdote. O homem lançou um olhar nefasto que penetrou na alma de Dante, embrulhando seu estômago. Naquele instante o defensor de Natirel soube que se tratava de um feitiço de maldição menor. Sua vontade foi maior e, embora  o feitiço não lhe tivesse feito mal algum, sua alma estava empedernida pela tristeza de uma maldade tão gratuita.

De retorno à taverna, constatou a situação lastimável de boa parte do grupo e foi orar e descansar. Só na manhã seguinte o grupo tornou a se reunir. Após o desjejum, Wooly foi acertar a conta das muitas canecas de cerveja da noite passada e pelas broas de milho desta manhã. O estalajadeiro agradeceu a ele e lhe entregou uma pasta de couro, dizendo que um bardo havia deixado-a ali para que fosse entregue a ele.

Wooly abriu a pasta e viu que dentro dela havia um papiro velho, amarelo e dobrado em quatro partes. Logo que abriu o papiro leu a mensagem:


"As fronteiras do norte estão fechadas para vocês, pois a guerra novamente ameaça flagelar os povos. Uma nova força ameaça surgir no ocidente, uma capaz de suplantar qualquer outra. Vocês precisam se apressar. O Festival da Cerveja está chegando e um carregamento da famosa Beory's Draught partirá de Willnend nos próximos dias. Eles tem um contrato nos portos e a comitiva chegará rapidamente ao seu destino - a cidade de Greyhawk.

Não posso falar mais no momento. Estou em busca de respostas e o tempo urge.

Att.,

O Bardo Viajante

O bucaneiro sorrateiro levou a missiva ao conhecimento do grupo. Beren logo viu que se tratava de uma carta de Gwydiesin, O Bardo. Wooly prontamente perguntou ao estalajadeiro se sabia da saída da caravana com a tal famosa bebida (que tanto consumiu ontem). O homem não sabia dizer, mas deu-lhe o nome de Meuric - o responsável pelo armazém da guilda dos cervejeiros de Willnend...

Comentários

  1. Uhuuu!!!! \o/

    Nem acreditei quando vi!! Tanto tempo postando sozinho os resumos que esse post seu foi uma surpresa total, rsrsrs...

    Que venham muitos outros no futuro!!

    ResponderExcluir
  2. Ahahahah, quis ser rapido no gatilho! Quero animar de voltar a postar com mais frequencia mesmo... tava te sobrecarregando.

    ResponderExcluir
  3. Não sei se é bom, mas vale como curiosidade:

    http://www.youtube.com/watch?v=zEkENVLmuO0

    ResponderExcluir

Postar um comentário