O Início de Tudo - 15º Ato

Velen, Dyuss e Kyra seguiam em direção ao formigueiro. Não sabiam exatamente como chegar lá. Apenas seguiam pela estrada, esperando por um eventual contato.

Depois de alguns dias, quando já acreditavam estar próximos do local em que haviam retornado à superfície, eles procuravam chamar pela rainha em pensamento ou até em voz alta, mas não obtinham qualquer retorno.

Até que, quando buscavam um local para passar a noite, vislumbraram movimento em umas árvores próximas. Pegaram suas armas e esperaram. Logo se viram cercados por guerreiros formians. Nenhum deles falava comum e novamente foi bastante difícil se fazer entender, mas, como não mostraram qualquer resistência, foram levados pelas formigas ao subterrâneo. Se o destino era a rainha ou não, eles nada sabiam...

Caminharam por um longo tempo, mas logo puderam reconhecer os túneis por que haviam passado há poucos dias atrás. A rainha ouviu o relato dos personagens e aceitou o parco pó recuperado. Velen tentou obter algum tipo de recompensa, mas a rainha foi ríspida, afirmando que a recompensa era a própria liberdade deles, que, como invasores de seu território, deveriam ter como pena a escravidão. Mas ela estava de bom humor e havia feito um acordo, além de que, afinal de contas, eles estavam sendo procurados por pessoas poderosas em Greyhawk e deveriam logo retornar para lá.

Porém, antes de irem, ela lhes fez uma ameaça e uma revelação. A primeira era que jamais deveriam retornar aos seus domínios novamente; a segunda, e muita mais impactante, era que seus companheiros estavam mortos!

 ***

Sooty e Camaban estavam desolados. O druida queria recuperar alguma parte de seu amigo morto que pudesse levar para fora da torre, mas tudo estava sendo corroído pelo forte ácido do pudim negro e ele não tinha nada que pudesse fazer. Sooty buscava pegar o ácido para si, mas nem mesmo o vidro era capaz de sustê-lo, razão pela qual acabou por desistir.

Com a ajuda do manto mágico de Dyuss, os dois passaram a explorar a torre. Era óbvio que teriam que retornar ao portal. Porém, uma vez que já haviam entrado e perdido Johann no processo, acreditavam que ao menos deveriam vislumbrar um pouco mais do local.

Além do patamar que levava a um túnel rústico, este protegido por uma cachoeira de chamas, haviam quatro portas no andar em que o pudim jazia. Cada uma delas revelou pequenas salas com estátuas de animais e pessoas, todas muitíssimo bem feitas e altamente realistas. A busca mágica do gnomo nada revelou, mas ele estava apreensivo.

Camaban já estava impaciente e queria logo ver se encontrava uma pista sequer da passagem de Brygette por ali. Resolveu entrar em uma das salas. Péssima decisão... Um poderoso feitiço fez o seu corpo se enrijecer rapidamente. Ele já havia visto aquilo acontecer com um antigo companheiro, mas não havia nada mais que pudesse fazer, nem mesmo praguejar: seu corpo transformou-se em pedra!

Sooty entrou em pânico, assim como Lianon, que uivava e rosnava em desespero. O pequeno mago parou com a exploração ali mesmo e resolveu retornar aos demais companheiros. Talvez eles encontrassem uma forma de reverter a transformação. Tentou convencer o lobo a seguir com ele, mas viu que era impossível. No caminho encontrou um osso de Johann que o pudim havia "cuspido" durante o combate. Pegou-o, voltou à ilha e seguiu para as margens do lago com a ajuda de um tubarão por ele conjurado...

***

Perto dos portões de Greyhawk, Sooty alcançou seus companheiros. Contou-lhes o que ocorrera e da necessidade premente de retornarem ao portal, com o que todos concordaram.

Velen novamente enfatizou que jamais foi contra a exploração da torre. Apenas achava que eles deveriam fazer uma coisa de cada vez e se preparar melhor antes de se meter nesse tipo de situação. E o acontecido mostrava que ele estava totalmente certo.

Dentro da cidade, enquanto decidiam seus próximos passos, perceberam a aproximação de um sujeito: Solfiere, um dos membros do grupo que lhes havia contratado para resgatarem o mapa das mãos da rhenee. Ele os convidou para a sua casa na cidade, onde uma longa conversa se seguiu.

Ele já parecia estar ciente de muitas das coisas pelas quais o grupo passara, inclusive do problema com a guarda da cidade, mas queria ouvir tudo de suas bocas. Após, revelou que não tinha sido completamente honesto com os personagens em seu primeiro encontro. Inicialmente ele e seus companheiros acreditaram que a missão seria muito simples, razão pela qual decidiram deixá-las com outras pessoas. Eles sabiam que o mapa possuía relação com o Castelo Greyhawk, local em que, segundo diz a lenda, Zagyg aprisionou nove deuses, assim como o próprio Ancião, e realizou um ritual que o transformou em um deus. Porém, não acreditavam que a rhenne possuía tal conhecimento, muito menos poder para conjurar um portal diretamente para a Torre da Magia do Castelo. Se desconfiassem disso, certamente que sua decisão houvera sido diferente e seu próprio grupo teria cuidado do assunto. Todavia, não adiantava falar sobre isso agora. Ele iria até o druida e o traria de volta, após o que eles deveriam voltar a suas vidas, deixando as questões pendentes para pessoas mais capacitadas.

Sooty e Velen não aceitaram tal decisão. Logo após o retorno de Solfiere com Camaban e Lianon, uma longa discussão se seguiu, com os dois afirmando que retornariam ao Castelo com ou sem o apoio do mago. Kyra queria ir pelo dinheiro, enquanto Dyuss era contra, afirmando que eles não possuíam condições para explorarem um local tão perigoso e que, caso eles estivessem interessados, poderiam seguir com ele para o norte, aonde esperava encontrar pistas acerca do seu passado. Camaban não tinha idéias sobre o que fazer no futuro próximo, mas de uma coisa tinha certeza: não iria retornar àquela maldita torre. Dizendo isso, ele se despediu e foi para o círculo druídico localizado fora da cidade, aonde orou para que Johann fosse bem recebido pelos espíritos da natureza.

No dia seguinte, todos foram se encontrar com Camaban. Embora a contragosto, Dyuss não pretendia deixar seus companheiros enfrentar os perigos do Castelo sozinhos, então só faltava convencer o druida para a jornada começar...

Comentários