RPG, paz e amor!

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais decidiu nesta terça-feira (8) manter a decisão do julgamento que considerou inocentes três acusados de matar a estudante Aline Silveira Soares, em um jogo de RPG em outubro de 2001, na cidade de Ouro Preto (MG). O julgamento ocorreu em julho de 2009. Cabe recurso. O Ministério Público infiormou, por volta das 15h desta quarta-feira (9), que não pretende recorrer da decisão.

Segundo o Tribunal de Justiça, a desembargadora Márcia Maria Milanez, que analisou a apelação do Ministério Público, considerou que não apareceu nenhuma prova nova que comprovasse a participação dos acusados no crime.

Entenda o caso

Aline Silveira Soares foi encontrada morta em cima de um túmulo no cemitério da Igreja Nossa Senhora das Mercês, na madrugada do dia 14 de outubro de 2001. A jovem tinha 18 anos. No jogo RPG, os participantes assumem personagens e representam uma história.

Três pessoas foram acusadas pela morte da estudante, mas foram absolvidas do crime em 5 de julho de 2009, após cinco dias de julgamento.

FONTE: G1

- - -

OK, OK - como diria Nelson Ruuuuubens do Tv FAMA (aeeewwww)!!!

Lamentável que os caras não tenham sido presos mesmo. Afinal, é muito provável que eles tenham realmente algum envolvimento com o homicídio da Aline. A toda evidência, esse é mais um caso em que a Justiça brasileira mostra-se ineficaz.

Por outro lado, o desfecho desta história possui um aspecto positivo. Com a absolvição dos acusados, o RPG também obteve rendenção, já que, para quem não se lembra, a mídia fez um estardalhaço enorme envolvendo o RPG como um dos "elementos" do crime, associando-o a rituais de magia negra e, guardadas as proporções, quase o elevando a uma espécie de qualificadora do crime - como se jogar RPG levasse as pessoas a praticar crimes.

O caso de Aline foi um marco negativo para a história do RPG no Brasil e gerou uma publicidade muito negativa. Não sei dizer se isto impactou significativamente o mercado nacional. Devemos colocar as coisas em perspectiva e lembrar que em 2001 (quando o crime ocorreu) D&D 3ª Edição ainda estava "bombando" e, com toda a falação idiota da imprensa e publicidade negativa, não duvidaria de uma queda de vendas no Brasil.

Fato é que todos sabemos o quão estúpidas estas colocações da imprensa foram. Mas, no final das contas, a sensatez acabou prevalecendo. Muita gente vai continuar acreditando que o RPG é coisa do "mal", mas fazer o que né? Cada um crê naquilo que quer. Eu até entendo estas pessoas, porque sei que a maioria de nós prefere inventar desculpas e justificativas esfarrapadas para compreender as violências da vida e as loucuras do ser humano. Alguns culpam o capitalismo, outros os espíritos, alguns o diabo e outros até mesmo Deus. Lamento que alguns prefiram apontar o RPG como culpado também. Só isso.