Desonestidade Intelectual ou Burrice mesmo?



Notícia publicada hoje pela Agência Senado informa que a Comissão de Educação, Cultura e Esportes (CE) vai aprofundar os debates sobre a extinção do exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Há um projeto de lei do Senado, PSL 186/06, que prevê o fim do exame de ordem, e por isso a necessidade de se aprofundar os debates.

"O Exame da Ordem foi instituído em 1994. O objetivo é selecionar, pela aferição de conhecimentos jurídicos básicos, os bacharéis aptos ao exercício da advocacia. (...)" diz a reportagem da Agência Senado - reproduzida no Blog Exame de Ordem (link ao lado).

Fonte: Agência Senado e Blog Exame de Ordem

- - -

Essa notícia me trouxe um pensamento interessante.

Seria legal confrontar os dados do crescimento do número de cursos jurídicos no Brasil com o período após o qual o Exame foi adotado pela OAB.

Confrontando os dados que coletei na internet, percebi que o grande boom de cursos jurídicos se deu exatamente no período após 94. Só entre 95 e 97, houve 589 pedidos de abertura de cursos jurídicos no Brasil.

Lógico que fiz uma pesquisa bem porcalhona, no google mesmo, mas escrevam o que estou falando: mesmo uma pesquisa séria poderia facilmente comprovar que a instituição do Exame de Ordem não contribuiu EM NADA para o aprimoramento do ensino jurídico no país.

Tenho pra mim, e isto é apenas uma impressão pessoal, que o Exame de Ordem só contribuiu foi para a mercantilização do ensino - fomentando a indústria dos cursinhos e das editoras.

O crescimento do número de cursos jurídicos no país, nada tem a ver com a existência ou não do Exame de Ordem. Foi sob a égide deste exame que o Brasil enfrentou o boom do crescimento do número de cursos, enquanto a OAB e suas comissões de exame de ordem assistiam a tudo impávidos.

Dizer agora, em 2010, que o exame de ordem é um instrumento para o controle da proliferação de cursos jurídicos no país é uma falácia tão criativa, que daí só se pode concluir que ou os portadores desta bandeira são bucéfalos ou que lhes falta honestidade intelectual.

Comentários