EM MEMÓRIA (2)




Não há palavras que possam descrever o sentimento dessa perda. Neste mundo tão repleto de gente ruim, disposta a fazer o mal, quis o destino que a vida de um valoroso amigo e homem de bem fosse brutal e estúpidamente ceifada.

Que lógica há nesse mundo? Nenhuma, é certo dizer. Assim quis Deus? Duvido. Acredito nas coisas como elas são. Estamos neste planeta para cumprir etapas e no mais das vezes elas são duras e dolorosas. Este lugar é um vale de lágrimas, de choro e ranger de dentes, não devemos chorar pelos que deste mundinho se vão. Coitados somos nós que aqui ficamos para enfrentar os males que cada dia guarda.

Ainda assim, ainda sabendo no fundo da minha alma que o Pietro está em um lugar mais seguro, mais próximo de Deus-Pai-Todo-Poderoso, ainda sabendo que ele já pode gozar deste privilégio que é poder descansar, parte-me a dor da saudade. Saudade por seus trejeitos divertidos e sarcásticos, saudades por suas brincadeiras fora de hora, saudade daquele jeito "durão" que só escondia um menino doce e amável que ainda tomava o leitinho feito por sua mãe carinhosa, saudade de abrir-lhe os portões de minha casa toda vez que chegava com sua moto para mais uma tarde divertida de RPG.

Mas este mundo se trata disso, meus amigos. Da dor e do verter das lágrimas. Pietro será sempre lembrado por todos nós com o maior carinho e afeto.

ÀAos familiares e aos amigos, minhas mais sinceras e profundas condolências.

Fraternamente,

Mario Berger - O MestreCavernoso

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Fiquei muito desorientado, quando o Mário me ligou na tarde de sexta-feira. A saudade e a dor são muito fortes. Talvez, de todos nós, eu fosse o que menos o conhecia. Por isso, a pesar da gigante perda, não quero aqui falar da falta, daquilo que se foi. Pois isso já está em nossa pele. Falarei do que fica, dentro de cada um de nós.

    Sempre vi o Pietro como um simbolo de irreverência, um bon vivant, uma pessoa que não se prendia a um determinado modelo de como as coisas são. Preferia faze-lasdo seu jeito, um jeito que fosse mais divertido, mais a sua cara, mais irreverente. Isso, de uma certa forma, fica na nossa cultura, que convivemos com ele, que tinhamos ele como um amigo querido. Isso, dentre outras coisas, fica dentro de nósso comportamento e coração. Hoje, todos nós temos um pouco de Pietro, assim como temos de Mário, Bernardo, Cácá, Bruno, Roberto e etc.

    Por tanto, me conforta pensar, que ele sempre fará parte do que somos, de forma que acompanhará sempre a minha existencia, fazendo parte do meu comprotamento, assim como vocês também.

    Infelizmente, não pude estar ai em pessoa para as homenagens. Mas, assim como vocês, terei sempre o Pietro existindo dentro de meu coração.

    Deixo aqui, um poema que utilizei em um de meus jogos, e que reforça ao sentimento de conforto que estou em referindo.

    "Do not stand at my grave and weep;
    I am not there. I do not sleep.

    I am a thousand winds that blow.
    I am the diamond glints on snow.

    I am the sunlight on ripened grain.
    I am the gentle autumn rain.

    When you awaken in the morning's hush
    I am the swift uplifting rush

    of quiet birds in circled flight.
    I am the soft stars that shine at night.

    Do not stant at my grave and cry;
    I am not there. I did not die."


    ...

    ResponderExcluir

Postar um comentário