37° e 38° Atos - O Legado de Sangue

Os personagens deixaram as masmorras levando consigo a Máscara das Raças e outros tesouros. Seguiram por uma estrada nas colinas até Bet Bireli. Lá, ficaram por apenas uma noite. O suficiente para recuperar as energias e retomar a viagem.

O grupo seguiu pelas colinas rumando pela estrada oeste, deixando as campos onde os tosquiadores retiravam a lã das ovelhas e onde os camponeses promovia a colheita da cevada a carregava os carros-de-boi que levariam a produção para os moinhos e silos das vilas próximas.

A passagem por O'Par foi rápida, e logo o grupo estava numa das pavimentadas estradas do Império de Kalamar. Não demorou muito e os personagens perceberam que a extrada estava muito mal conservada e com sinais claros de que um verdadeiro batalhão havia cruzado aqueles campos recentemente.

Apenas alguns dias mais tarde foi possível comprovar que esta suposição estava LITERALMENTE correta, pois o grupo encontrou o acampamento de uma legião de soldados. Infelizmente, presente entre os milhares de soldados, mulheres e criança do assentamento, estava o Legionário Bolovi. Perspicaz, e malicioso, o comandante interpelou o grupo, que visivelmente portava armas, armaduras, escudos e outros equipamentos de qualidade superior.

A tentativa do legionário era claramente a de estorquir algum dinheiro dos personagens... e havia muito para ser conseguido. Mas Galahad diplomaticamente resolveu a questão, oferecendo uma lança abeçoada por Deb'fo aos legionários e algumas moedas de ouro.

Satisfeito, Bolovi permitiu que o grupo seguisse em paz.

Então, a jornada seguiu até Fodeta, no litoral da Baía de Elos. Agora era o Reino de Tokis que ficava para trás, conforme o grupo embarcava rumo a Bet Urala.

Alguns dias depois o grupo despertava com o badalar titânico dos sinos do Templo do Encantamento, baluarte de Bet Urala.

Allus e Beren foram até o templo de Deb'fo e lá conversaram com um sacerdote e apresentaram a Máscara das Raças ao mesmo, deixando-a aos seus cuidados juntamente com todos os documentos referente a ela que foram retirados da masmorra de Suvinus.

Mais tarde, o grupo foi com Galahad até a Igreja da Chama Eterna, onde Agrecius (tutor de Galahad) procedeu ao ritual que permitiu que a sabedoria da Lanterna Eterna de Dirasip iluminasse as trevas no caminho de Beren.

Tomado de um estranho frenesi, Agrecius disse a Beren que Ardrus (seu pai) estava em Basir, numa prisão molhada. Ele veio para encontrar a Máscara para pacificar a Brandobia, mas "ela" o enganou, pois ele pensou que era Witigis que deveria encontrá-la, eis que ela o havia dito isto. Porém, ela, a vidente, o enganou.

Não houve tempo para que Beren fizesse muitas perguntas. Mas com o pouco que foi revelado o grupo percebeu que havia ocorrido uma estrnha coincidência e que Allus havia se precipitado ao entregar a Máscara para o clero de Deb'fo.

Preocupados, mas sem muito o que fazer pelo resto do dia, o grupo se dividiu na realização das tarefas triviais do dia-a-dia na cidade de Bet Urala.

Vincent estava cuidando de problemas pessoais desde que havia chegado a Bat Urala. Kotesh já havia afirmado que desejava ir até Bedido para saber sobre sua carta de alforria. Galahad estava envolvido novamente com os afazeres do templo, e Beren e Allus ocupavam-se se identificar os itens mágicos.

Contudo, como a soi acontecer com quem brinca com a magia, um grave acidente aconteceu. Um dos itens trazidos pelo grupo explodiu em fogo e destruiu parte da estalagem onde estavam hospedados.

Postagens mais visitadas