17° Ato - O Legado de Sangue

... o homem caiu abruptamente ao chão, morto! Todos se apressaram em aproximar-se do crorpo ensangüentado. Itahn tomou o documento das mãos do homem e, já que não sabe ler, o entregou à Beren. Conforme prosseguia na leitura sua feição se modificava, passando a denotar grande preocupação. A missiva em questão fora escrita por Gallis, a quem Harric havia acabado de assassinar. O homem relatou naquele documento as últimas atividades das Cortes da Iniqüidade, detalhando com certa brevidade o andamento de alguns julgamentos importantes e, sobretudo, realizando uma prestação de contas da arrecadação do dízimo da igreja junto à plebe. Na verdade, a arrecadação do dízimo nada mais é do que uma forma de institucionalizar a cobrança de impostos pela nobreza vez que, pelo que se viu,o tesouro angariado pelas Cortes eram diligentemente repassados aos cofres do Conde. Noutro giro, o governo de Premolen concedia terras e mais terras às Cortes, fazendo seu poder crescer significativamente, especialmente nas pequenas vilas próximas ao grande burgo.


Logo, os membros do grupo perceberam que a morte de Gallis, por suas mãos, e ainda por cima dentro dos corredores das Cortes da Iniqüidade, podem gerar efeitos drásticos e reações abruptas, especialmente por parte da nobreza da cidade - que perdeu um de seus membros. Ao que tudo indica, Gallis, afinal, era próximo do Conde Transen Ingamin, Senhor de Premolen.


Astaror tratou de esconder o corpo de Gallis sob uma mesa, enquanto Rhalevahn buscava por objetos e artefatos em posse do moribundo que pudessem, ao menos, ajudar na demanda. Beren, que também vasculhava o local, encontrou um livro misterioso, o qual era chamado de "As Cobiças". Este tomo, protegido com uma capa de couro, possuía páginas negras e seus textos foram escritos com letras brancas, manuscritas cuidadosamente, por meio das quais se relatam diversos aspectos do culto à "Rainha da Iniqüidade", o "Olho Invejoso". Apesar dos forte sentimentos invocados pelas palavras lúgubres e artes profanas contidas no livro, Beren conseguiu passar incólume e, terminando de analisar o manuscrito, guardou-o em sua bolsa para futuras análises.


Os personagens então seguiram investigando os salões subterrâneos das Cortes da Iniqüidade, apenas para constatar que eles são maiores do que o pensado. O grupo já se encontrava no segundo piso abaixo do solo, e descobriram a existência de pelo menos mais um piso inferior. Contudo, não haiva tempo o suficiente para explorá-lo, pois já se podia ouvir os passos d'os Gananciosos retornando aos seus aposentos: a reunião deles havia terminado.

O grupo se escondeu por detrás de uma porta que dava acesso ao terceiro piso inferior, próxima de um dos salões de alojamentos. Lá puderam ouvir um diálogo que fora travado entre um dos Gananciosos e ninguém menos do que Glorath!!!

"Belíssimas e sábias palavras proferirdes senhor!"

"Uhm... agradçeo o elogio, meu caro." Retrucou Glorath, incrédulo.

"Quanto ao caso de Annabelle, gostaria de falar-lhe a sós em um momento mais oportuno e se não fosse perturbar-lhe por demais, gostaria de abordar outros assuntos relevantes também!"

"Pois não... Tão logo disponha de tempo, mandarei chamar-te a fim de que tenhamos a requisitada conversa. Diga-me antes, porém, de que se tratam estes outros assuntos?" Disse Glorath.

"Estou sabendo que em um futuro próximo estas cortes encontrarão solos mais férteis em terras vizinhas, quero lembrar-lhe que em mim encontrarás sempre um fiél seguidor, apto a seguir-lhe as ordens, atendendo sempre aos ensinamentos de nossa Rainha."

"Não se preocupe! Tenho-o em boa conta meu caro. Certamente o que disseste é verdade. Não demorará muito e logo teremos o indispensável para o prolongamento destas Cortes por terras mais distantes. Tu sabes bem que não depende somente de minha vontade, mas devemos contar também com a boa disposição de Sua Graça."

"Sim, eu sei. Espero apenas que Vossa Excelência lembre-se daqueles que te ajudaram no momento de colher os frutos..."

"Como disse, não se preocupe. Lorde Gallis, à esta altura, já deve ter entregue o relatório nas mãos de Sua Graça. Agora é apenas uma questão de tempo até ganharmos as terras que nos foram prometidas. Nossas arrecadação jamais fora tão lucrativa. Estou certo de que Transen não ignorará estes esforços, ele não ousaria." Finalizou Glorath.

Ouvindo isto, os personagens esperaram os dois se separarem. O indivíduo com quem Glorath conversava entrou nos alojamentos e Glortah saiu em direção a um dos salões.

Percendo isto Astaror, com apenas o toque de uma de suas mãos, congelou a maçaneta da porta dos alojamentos e o grupo partiu em direção aos salões para interceptar Glorath. Por lá estavam outros homens - que verificavam, assombrados, que Gallis está morto - e iniciou-se um combate.

A maior parte dos Gananciosos ficou presa dentro do alojamento e, com a maçaneta da porte congelada, não puderam sair para ajudar na defesa da Corte. Os membros restantes não foram páreo para o grupo, mesmo Glorath caiu diante do poderio dos personagens - especialmente do feitiço misterioso de Beren, que parece impor um sono mágico e profundo nos adversários.

Com Glorath desmaiado nos ombros, Rhalevahn se dirige à saída que dá para os esgotos, com os demais protegendo a retaguarda contra os ataques do poucos guardas restantes.

Comentários