Viagem até Onnwal - PARTE FINAL. O Retorno a Furyondy

O “Espinha de Tubarão” atracou no cais de Portões de Ferro numa manha ensolarada do outono. Solfiere, Logan e Uther foram até o castelo que abriga o prefeito Cobb Darg, para sua surpresa, no entanto, eles já eram esperados. Elayne Mystica, conselheira do Sr.Darg, recebeu os personagens e os levou até os aposentos do prefeito. Lá além dele, o arquimago Bigby também aguardava o grupo.

A conversa foi breve. Darg informou que o governo de Portões de Ferro já reconheceu formalmente Jian Destron como o Szek em exílio de Onnwal e aliou-se à Rebelião a fim de lutar pela liberdade daquelas terras. Sendo assim, os prisioneiros resgatados da ilha rochosa encontraram asilo em Portões de Ferro. A presença de Bigby até então parecia inexpressiva, mas então o famoso mago tomou a palavra e pediu que os personagens voltassem com ele para Mitrik, capital de Veluna.

Bigby explicou que é natural de Veluna e que conhece bem aquelas terras, apesar disso, optou, anos atrás, por morar em Scant (capital de Onnwal). Com o surgimento da Irmandade Bigby mudou sua residência para Portões de Ferro e levou a notícia da ameaça do Sinal Escarlate para dentro da agenda secreta do Círculo dos Oito, começando a investigar secretamente as atividades dela. Ocorre que diversos reinos de Flanaess já possuíam pelo menos um agente Escarlate infiltrado em sua corte e tal notícia alarmou diversos líderes. Apenas recentemente Veluna conseguiu descobrir e eliminar um destes espiões, mas Furyondy estava em maus lençóis. Mais explicações somente poderiam ser dadas caso os personagens voltassem com ele para Veluna através de um portal estrategicamente preparado para isso.

O portal levava para uma Câmara de Reuniões em um dos monastérios de Rao – mais precisamente para a principal catedral de Rao no mundo, o Templo da Suprema Serenidade. Lá nove arcebispos e sua Santidade, o Cânone Hazen, aguardavam o retorno de Bigby e dos personagens. Hazen é o líder supremo da fé em Rao em todo o mundo, além de governante do Arquiclericato de Veluna e sua sabedoria é grandiosa. A conversa foi amistosa, porém recheada de formalidades. Hazen demonstrou não gostar muito da figura de Bigby, tolerando-o simplesmente porque estava diante de alguém de reputação ilibada. O principal assunto debatido foi a existência de espiões da Irmandade em Veluna e Furyondy. No primeiro reino, segundo o Cânone, os inimigos foram encontrados, presos e sujeitos a julgamento justo. Mas no segundo o problema seria maior. Não há, que se tenha notícias, qualquer espião escarlate em Furyondy. Todavia, já houve. As investigações promovidas por agentes de Veluna e pelo próprio Círculo levam a crer que o Príncipe Thrommel era na verdade um agente da Irmandade! De fato, aquele resgatado por Lagoon, Solfiere e Uther anos atrás no Templo do Mal Elemental seria uma farsa, um espião da Irmandade, cujo objetivo era o de ascender ao poder no reino. O que a Irmandade não esperava é que ele vestisse a “coroa negra”, que o pôs fora de controle e sob jugo de algum tipo de entidade maligna (contida no ego da própria coroa). Por fim, com a ascensão de Artur Jakartai ao trono e com a morte do maligno rei Thrommel a paz teria sido restaurada. Acontece que o Círculo tem fortes razões para crer que o verdadeiro Thrommel ainda está em poder da Irmandade Escarlate. Tal linha de pensamento é corroborada por documentos roubados da Ilha Rochosa por Velian (quando o restante do grupo trabalhava em retirar os prisioneiros das celas). Sua Santidade ainda acrescentou que tal notícia abalaria profundamente as estruturas de Furyondy, posto que faria com que Artur fosse tido como um rei ilegítimo, já que Thrommel ainda pode estar vivo (ainda que isto seja improvável). Hazen pediu que os personagens contassem o que viram e o que descobriram sobre a Irmandade durante estes últimos meses e o grupo lhe apresentou não somente uma descrição de tudo quanto sabiam como também lhe falaram das profecias. Logo em seguida Sua Santidade decidiu dar por encerrada a reunião, prometendo convocar os personagens em breve para uma nova conversa.

Mordenkainen


Após a reunião, Bigby contou aos personagens que Mordenkainen tratou pessoalmente com a irmandade quando agentes do Sinal Escarlate surgiram na cidade de Greyhawk com a proposta de realizar um grande pacto de paz para as nações de Flanaess. Nerof Gasgal, prefeito de Greyhawk, aceitou que a cidade servisse de sede para a Grande Assinatura mas Mordenkainen o convenceu de que a Irmandade poderia ser perigosa (na época ninguém sabia sobre os intuitos dela) e sugeriu que o Círculo dos Oito supervisionasse as atividades da irmandade na cidade. Ocorre que ao término da solenidade de assinatura, Rary e Robilar se rebelaram e num combate poderoso acabaram por matar Tenser e Otiluke fugindo em seguida para o sul. O Círculo ficou muito enfraquecido e imediatamente tomou providências para trazer seus amigos de volta. Otiluke infelizmente não possuía nenhum “clone” preparado que pudesse ser recuperado, mas Tenser havia deixado pelo menos um, mas ele estava desaparecido e nem mesmo as mais poderosas magias foram capazes de encontrá-lo. Foi então, que certa noite um agente da irmandade procurou Mordenkainen e lhe contou que o Pai da Obediência sabe da localização do clone e está disposto a compartilhar esta informação. Tal préstimo não viria sem contrapartida. Mordenkainen aceitou as exigências da irmandade e providenciou a “troca” de informações. Isso ocorreu muito recentemente. Na verdade, o mago de mantos azuis que os personagens encontraram na Ilha Rochosa era próprio Mordenkainen. Bigby contou que de acordo com as informações recolhidas, o clone de Tenser estaria em posse de Iggwilv, a infame bruxa “mãe” de Iuz, o Ancião. Ela certamente usaria isto como uma carta na manga para chantagear o Círculo, mas agora tal trunfo já não é mais secreto e os magos podem se preparar. Mordenkainen sabia de investida do grupo na Ilha Rochosa e aproveitou a ocasião para testar as capacidades dos personagens ao tirar-lhes a maior parte dos auxílios mágicos (leia-se ITENS MAGICOS). Diante do sucesso dos aventureiros, Mordenkainen fiocu certo de suas capacidades e escolheu os personagens para realizar a perigosa tarefa de resgatar o clone do Tenser – em troca, é claro, de recompensa à altura. O grupo ainda não se decidiu neste sentido e Bigby afirmou que o Círculo aguardará por uma resposta em breve.

Cânone Hazen


Depois de toda essa conversa, no dia seguinte, o grupo retornou ao Templo da Suprema Serenidade para conversar novamente com o Cânone Hazen. Antes de tudo ele agradeceu os serviços do grupo prestados à Furyondy, a quem ele considera uma nação irmã. Agradeceu também pelas informações trazidas de Onnwal sobre a Irmandade. Hazen pediu aos personagens extrema cautela no assunto concernente ao Príncipe Thrommel. Ele acredita que Artur não deve saber de tudo isso ainda, pois se tal notícia se espalhar pelo reino poderá gerar uma nova guerra civil e Furyondy se romperia. Além disso, Hazen explicou que até o alto inverno Artur irá declarar guerras eternas contra o Ancião, lançando uma Cruzada para restaurar a glória de Furyondy. Neste momento, Veluna lançará mão do Bastão de Rao, que será capaz de banir de Oerth todos os seres abissais e infernais, o que enfraquecerá consideravelmente as forças do Ancião. Por fim, Sua Santidade pediu cautela ao grupo no tocante ao Círculo dos Oito. Segundo ele, Bigby, por exemplo, é um homem bem intencionado mas que, assim como os outros membros, segue as prescrições de Mordenkainen e quanto ao caráter deste último Hazen lançou severas dúvidas. Mordenkainen parece preocupado em exercitar sua filosofia que consiste em enxergar o mundo como um sistema que deve estar em perfeito equilíbrio para continuar existindo. Desta forma, Mordenkainen (e o Círculo que ele lidera) se propõe a garantir que este equilíbrio nunca se perca. Assim, nada impede que ele se alie com entidades malignas, com a Irmandade ou mesmo com o Ancião se isso for necessário para manter o equilíbrio entre BEM e MAL no mundo.

Por fim, Solfiere foi para Greyhawk estudar enquanto o restante do grupo rumou para Chendl e depois para o Forte do Martelo (casa do Uther, na antiga Cador).

Comentários

  1. Notem:
    1) os dentinhos cerrados do líder do círculo dos oito;
    2) o cânone Hazen é igual ao Dalsin do Street Fighter (aquele indiano cujo braço esticava, lembram??)

    ResponderExcluir

Postar um comentário