Viagem até Onnwal - Partes 06, 07 e 08

(brevemente para evitar a fadiga)
O Druida e o misterioso Monge apresentam ao grupo uma extensa profecia acerca do tempo das Perturbações Entre Coroas (Turmoil Between Crowns), que marcou a derrocada do Grande Reino de Aerdy e o início de uma nova era em Flanaess. O Monge conta que teria roubado os manuscritos diretamente da Biblioteca Real de Rauxes e que supostamente eles conteriam predições de coisas que ainda não aconteceram (embora a maior parte dos sábios já tenha considerado os eventos ali descritos como findados). Curioso foi notar que alguns trechos do manuscrito já eram conhecidos dos personagens através de sonhos. Na manhã seguinte, contudo, o Druida e o Monge foram ao encontro de Cobb Darg (prefeito de Portões de Ferro) enquanto o restante do grupo seguiu viagem rumo as Headlands.
Na sinuosa e estreita trilha, guiados por um Onnwalês chamado Tivard, o grupo então encontra Aeris e posteriormente Laonor. Apesar da intrigante coincidência, a viagem não poderia parar e todos rumaram para o esconderijo da rebelião. Lá Rakehell Chert contou que Jian Destron já rumou para Nyrond em busca de exílio seguro e que agora só espera os primeiros auxílios diplomáticos de reinos amigos para iniciar os movimentos pela retomada das terras. O grupo se apresenta como emissários do próprio Rei Artur Jakartai de Furyondy e, “liderados” pelo Adaga Azul (Velian) se propõe a lutar contra a Irmandade Escarlate (Scarlet Brotherhood) pela libertação de Onnwal.
Muitas discussões depois, fica decidido que antes de tudo seria necessário libertar os homens e mulheres seqüestrados pela Irmandade a fim de chantagear os nobres e senhores de terras de Onnwal. Somente assim, com a garantia de que seus amados parentes e familiares estão a salvo, é que estes senhores arriscariam lutar diretamente contra aqueles-que-vestem-o-manto-rubro. Para libertar os prisioneiros, o grupo precisa rumar para Ponte Longa (longbridge) e lá encontrar o navio “Rosa de Terlep”, onde supostamente há documentos que apontam o local onde os prisioneiros estão.
Foi preciso apenas uma tentativa para que Artin (the Strongheart of Flanaess) e Ben assaltassem a embarcação, roubassem os documentos, eliminassem seu capitão e por fim, queimassem todas as evidencias de que eles por lá passaram (o que significou grande parte de todo o navio). De posse daquelas informações, bastou aguardar a chegada de Merrin Farhair (capitão do Espinha de Tubarão) para que então o grupo rumasse para Portões de Ferro (Irongate) e de lá, finalmente, para a Ilha Rochosa – onde os prisioneiros estão de acordo com os documentos afanados do Rosa de Terlep.
A partida aconteceu no dia 1° da Calefação, contudo, não antes da grande festa em homenagem ao aniversário de Artin (6 da Festa da Cerveja). A viagem seguiu tranqüila por dois dias. Mas na noite do terceiro, uma embarcação enorme abordou o Espinha de Tubarão. Inflexíveis, o capitão e sua tripulação negaram-se a se obedecer às ordens para se entregarem e, instantes após, um navio fantasma ergueu-se de dentro do próprio mar e lançou fantasmas sobre o Espinha de Tubarão.

Comentários